CONTA DE LUZ É PROBLEMA, VAMOS METER O DEDO TAMBÉM DIZ BOLSONARO

O presidente Jair Bolsonaro sinalizou no último sábado, que o governo poderá interferir no funcionamento do setor elétrico no país. “Assim como querem nos derrubar na pandemia pela economia fechando tudo – agora resolveram atacar na energia. Vamos meter o dedo na energia elétrica, que é outro problema”, afirmou, O Presidente sem entrar em detalhes.

Bolsonaro também fez críticas ao atual chefe da Petrobras, Roberto Castello Branco. Embora tenha afirmado que não houve interferência na estatal, ele pediu ajustes na forma de cobrança dos combustíveis. Também defendeu maior previsibilidade nos anúncios da companhia, quanto aos reajustes.

Parecia exorcismo quando eu falei que não iria prorrogar o mandato dele, compromisso zero com o Brasil. Nunca ajudaram em nada. Não é aumentando o preço de acordo com o dólar lá fora, mais do que isso, a preocupação é ganhar dinheiro em cima do povo”, declarou.

A saída de Castello Branco despertou uma reação negativa dos investidores, levando as ações da estatal a perderem quase R$ 30 bilhões de valor no pregão de sexta-feira. Bolsonaro estava irritado com os constantes aumentos da empresa em 2021, o que levou parte dos caminhoneiros a ameaçarem fazer greve.

“Não justifica, 32% de reajuste no diesel no corrente ano. Não tivemos essa variação dos preços lá fora ou dólar aqui dentro. Ninguém esperava essa covardia de reajuste. Ninguém quer interferir na Petrobras. Mas eles estão abusando”, afirmou. O Presidente indicou Luna e Silva, atual diretor-geral brasileiro da Itaipu Binacional e ex-ministro da Defesa do Governo Michel Temer, para comandar a Petrobras.

Para mitigar o efeito do 4º reajuste no diesel, Bolsonaro anunciou a redução dos impostos federais cobrados sobre o combustível por 60 dias, a partir de 1º de março. Também zerou as alíquotas dos tributos sobre o gás de cozinha, sendo este, definitivo.

Para cumprir a Lei de Responsabilidade Fiscal, o governo terá que arrumar uma contrapartida a esses gastos, que ultrapassam bilhões. Paulo Guedes e seu ministério, o da Economia, ainda não explicaram de onde virá o dinheiro. Bolsonaro não disse qual será a compensação e usou parte do seu discurso para criticar alguns veículos de imprensa.

“Não adianta jornaleco – Folha, Estadão, Globo – com manchetes combinadas. Se eu interferi, porque o percentual de reajuste da Petrobras é o mesmo? Os jornalistas estão falando que eu abri mão de arrecadação em poucos segundos zerando o PIS/Cofins por algum tempo do diesel. Se eu aumentar o imposto – não vou aumentar, é pancada. Se diminuir, é pancada. Não dou bola para essa imprensa.”

As declarações foram em conversa com apoiadores na portaria do Palácio da Alvorada. Parte do grupo que estava lá, é de São Paulo e coleta assinaturas para a criação do partido bolsonarista Aliança Pelo Brasil. A deputada federal Carla Zambelli (PSL-SP) transmitiu ao vivo pelas redes sociais. Momentos depois, o vídeo foi removido da rede social.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *