MENDONÇA PROPÕE A MINISTRO PROJETOS PARA HABITAÇÃO E TRANSPORTE PÚBLICO DO RECIFE

O ex-ministro e pré-candidato a Prefeitura do Recife, Mendonça Filho (DEM)  teve audiência nesta quarta-feira (29), em Brasília, com o ministro do Desenvolvimento Regional, Rogério Marinho. Na pauta do encontro: discussão em torno de propostas para a habitação popular e o transporte público no Recife.

    O problemas existentes no Metrô do Recife, como o sucateamento decorrente das gestões federais do PT e do descaso de 20 anos com a política habitacional na capital pernambucana, foram os principais  assuntos da conversa com Marinho. “O ministro garantiu que colocará técnicos do Ministério para conversar conosco e nossa equipe para ajudar na preparação de um plano de governo com projetos efetivos e que possam melhorar a vida de quem usa transporte público e vive em condições precárias e até sub-humanas na nossa capital” afirmou Mendonça.

 Pré-candidato destacou que a oposição está avançando na construção da  unidade para apresentar um projeto para o Recife.“Esse projeto será pautado na boa gestão, no uso correto e adequado dos recursos e em propostas que enfrentem os principais problemas da nossa cidade. Em Brasília estou discutindo propostas para a cidade”, ressaltou.

   Mendonça disse ainda, que, um projeto para o Recife precisa apontar soluções viáveis e, não promessas vazias, para transformar a vida das pessoas.  O sistema de transporte público e a mobilidade no Recife precisam ser discutidos de forma articulada. “O Metrô, embora não seja municipal, afeta a vida dos recifenses e exige do prefeito firmeza para brigar por investimentos, pela melhoria da qualidade e expansão da sua malha, garantindo conforto, segurança e tarifa compatível”, lembrou. 

  Ex-ministro tem criticado a desativação do sistema BRT, pelo Governo do Estado antes mesmo de ser concluído e a paralisação do projeto de navegabilidade do Rio Capibaribe. “Foram gastos mais de cem milhões de reais e, infelizmente, a gente vê barcos comprados e não tem uma pessoa sendo transportada pela calha do Capibaribe”. Também lembrou o desperdício de recurso público, as suspeitas de desvio e corrupção envolvendo esses projetos.

“É preciso olhar verdadeiramente para as famílias que não têm onde morar e vivem de forma precária, em palafitas e em condições sub-humanas.  O uso de áreas pertencentes à União pode ser uma alternativa para ampliar o espaço habitacional e atender à população mais pobre da capital”, pontuou Mendonça Filho.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *