OPERAÇÃO DA PF E CGU APONTA FRAUDE NO GOVERNO DO PT NO PIAUÍ EM GASTOS COM A COVID

A Polícia Federal e a Controladoria-Geral da União – CGU deflagraram nesta quinta-feira (14), no Piauí e no Maranhão, a Operação Onzena e expôs que identificou prejuízo de mais de R$ 19 milhões aos cofres públicos, ao aprofundar investigações de indícios de montagem fraudulenta de processo, de conluio para fraudar contratações públicas e de compra superfaturada de equipamentos de proteção individual (EPIs) e de testes rápidos para detecção do coronavírus.

Os contratos investigados foram promovidos pela Fundação Estatal Piauiense de Serviços Hospitalares – Fepiserh, pela Secretaria de Estado da Saúde – Sesapi e pela Prefeitura Municipal de Bom Princípio do Piauí (PI). A Operação Onzena consiste no cumprimento de 17 mandados de busca e apreensão, sendo 13 em Teresina (PI), dois em Picos (PI), um em Bom Princípio do Piauí (PI) e um em Timon (MA). O trabalho conta com a participação de oito servidores da CGU e de 79 policiais federais

As contratações foram custeadas com recursos federais repassados pelo Fundo Nacional de Saúde (FNS), inclusive envolvendo emendas parlamentares, e com recursos do auxílio financeiro oriundo do Programa Federativo de Enfrentamento ao Coronavírus estabelecido pela Lei Complementar nº 173/2020.

Investigações

A partir da análise de quatro procedimentos de dispensas de licitação, sendo um realizado pela Fepiserh, dois pela Sesapi e um pela Prefeitura Municipal de Bom Princípio do Piauí (PI), justificadas pela emergência sanitária decorrente da pandemia de Covid-19, a CGU e o TCE/PI apuraram sobrepreço em diversos dos itens contratados (chegando a 507,47% na aquisição de máscaras N95 pela Fundação).

Os valores pagos por esses entes públicos até o momento, referentes às dispensas de licitação analisadas, somam R$ 36.503.412,87, em relação aos quais foi apurado um prejuízo efetivo de R$ 19.164.308,64, decorrente de superfaturamento

Também foram constatados indícios de montagem fraudulenta de processo, de acerto prévio entre agentes públicos e empresas contratadas, bem como suspeitas de combinação entre essas empresas, de forma a possibilitar que fossem contratadas com preços abusivos.

Na última terça-feira, a CGU e a Polícia Federal foram às ruas de quatro estados na  Operação Campanile, para aprofundar investigações sobre outro possível “conluio” entre gestores da Secretaria de Estado da Saúde do Piauí e empresários, em processos de dispensa de licitação que resultaram em pagamentos suspeitos de R$ 33,7 milhões, durante a pandemia da Covid-19, em 2020.

Impacto social

Em decorrência das irregularidades detectadas, EPIs contratados pela Sesapi para utilização na prevenção e no combate à Covid-19 em hospitais da rede estadual e hospitais municipalizados deixaram de ser fornecidos integralmente, apesar de pagos. Também se identificou que testes rápidos foram entregues em marca diferente da contratada, avaliados como “não conformes” pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

Em 2020, para o enfrentamento da emergência de saúde pública provocada pelo coronavírus, o Piauí recebeu do FNS cerca de R$ 100 milhões. As irregularidades apontadas representam riscos de grave impacto social, aumentando as chances de contágio de Covid-19 e sua proliferação, em especial entre os profissionais de saúde.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *