TRANSPORTE PÚBLICO PODE AJUDAR NA PROPAGAÇÃO DO CORONAVÍRUS DIZ INFECTOLOGISTA

Um dia após, o Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros de Pernambuco – Urbana-PE ter apontado em levantamento que, o transporte público não  é  o principal  transmissor  do novo coronavírus.  O infectologista  Bruno Ishigami falou a respeito.  

  “A gente vive com ônibus superlotados e isso pode ser sim um fator importante de transmissão (para o novo coronavírus). É uma área abafada, com muita gente, muita gente uma perto da outra, muitas superfícies de contato, mas desde que a gente consiga respeitar as medidas de distanciamento social, que a gente consiga garantir que os passageiros não fiquem um em cima do outro, garantir que os passageiros vão usar máscaras o tempo todo.  Então, assim, a gente ainda tem que ter muito cuidado’’, explicou o infectologista, Bruno Ishigami.

   Mesmo com a determinação dos órgãos de saúde, para manter o distanciamento social de mínimo 1,5 metro, como medida de prevenção, os registros são de Terminais Integrados cheios e ônibus lotados. Análise dos dados da Urbana-PE comparou os números das últimas semanas epidemiológicas do novo coronavírus, que foram do dia 24 de maio a 31 de julho.

‘’Há um estudo realizado em Nova Iorque (nos Estados Unidos) que estabelece que de todo o universo de pessoas hospitalizadas pelo novo coronavírus naquela cidade, apenas 4% das pessoas estava utilizando regularmente o transporte coletivo. A conclusão que tiramos é que não há uma relação direta entre a utilização do transporte e o contágio’’, afirmou o diretor de Inovação da Urbana-PE, Marcelo Bandeira.

   Sobre o problema de superlotação nos ônibus, a Urbana-PE  respondeu afirmando que, fez esse levantamento com intenção de ajudar no modelo de gestão de demanda, para saber onde está havendo problema para os passageiros, podendo corrigir com uma melhor distribuição da frota ao longo do dia. 

  Com relação a abertura das atividades, a Prefeitura do Recife, disse ter elaborado  sob a coordenação técnica do Porto Digital,  o “Dados e Análises para Decisões e Operações (D.A.D.O), uma plataforma de dados e algoritmos para facilitar e instrumentar a tomada de decisão sobre qualquer operação de interesse da cidade. O “D.A.D.O”  está dividido em Indicadores de Risco da Cidade, Risco por Microrregião e Matriz de Prioridade de Abertura de Atividades.

  O indicador de Risco da Cidade é calculado a partir da análise de índices do sistema de saúde – como a ocupação de UTIs e progressão de casos e óbitos por covid-19, índice de isolamento social e outros. A plataforma, lançada em junho deste ano, é aberta para consulta da população e pode ser conferida através do endereço https://novocoronavirus.recife.pe.gov.br/.  

Com informações TV Jornal

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *