URBANA- PE PROPÕE ALTERNAR HORÁRIOS DE TRABALHO PARA EVITAR AGLOMERAÇÕES EM ÔNIBUS

Urbana-PE protocolou  proposta do escalonamento nos horários do transporte  público no gabinete do Governador, nas secretarias de Desenvolvimento Urbano e Habitação (Seduh) e de Desenvolvimento Econômico –SDEC , e na Prefeitura do Recife. 

 O documento, desenvolvido em parceria com a Associação Nacional das Empresas de Transportes Urbanos – NTU, contém uma nota técnica, explicando como funciona a ideia  e um modelo matemático, para calcular a quantidade de passageiros que o sistema pode suportar em cada horário. O secretário da Seduh, Marcelo Bruto, deverá se reunir esta semana com o sindicato dos empresários de ônibus e outras secretarias de governo, para entender melhor a proposta.

   Desde 22 de junho, o sistema de transporte público da RMR funciona com 70% de sua capacidade. O cenário tido como ideal, com 100% da frota circulando, é considerado inviável. “Essa ideia pode parecer fácil, mas temos que entender que 75% de todo o sistema é custeado pela tarifa. E mesmo com a volta gradual das atividades, a demanda de passageiros está em 50%. Há um descompasso grande entre a receita que arrecadamos e o custo operacional de por a frota na rua”, explica o empresário Marcelo Bandeira, representante da Urbana-PE.

  O modelo apresentado propõe a criação de um comitê gestor, com participação do poder público e dos setores econômicos, para fazer uma avaliação periódica da situação – semanal ou quinzenal. Daí, dependendo de como esteja a demanda, aumenta ou diminui a frota circulando nas ruas. “Queremos ‘achatar a curva’ da demanda por transporte”, diz Marcelo, ao apresentar um gráfico em que mostra a concentração da demanda de passageiros por horário.

  Há três recortes no gráfico. O primeiro é referente à demanda na primeira semana de março, na cor azul. Ele tem três picos – 6h, 12h e 17h. O das 6h e das 17h aparecem com mais de 100 mil passageiros, enquanto o das 12h se aproxima dos 90 mil. O segundo, na cor vermelha, menciona a segunda semana de maio, quando o pico das 6h e das 17h ficam na faixa dos 30 mil e o das 12h some. O terceiro, alaranjado, cita a segunda semana de julho, com os picos das 6h e 17h beirando os 60 mil e sem o pico das 12h. 

“Existem horários em que há superlotação e outros em que a frota fica ociosa. Por que a construção civil precisa começar às 7h, e não às 9h? Por que consultórios ambulatoriais não podem abrir às 10h? Agora não queremos que isso seja uma ordem, e sim discutido, para mudar o horário de funcionamento de algumas atividades que impactam a demanda e distribuir isso de uma forma mais homogênea ao longo do dia. O pico é algo que sempre existiu, mas não podemos mais conviver com aglomerações. E essa não é uma discussão só de ônibus, e sim de toda a sociedade”, defende.

  Marcelo também rebate a questão do subsídio dado pelo Governo do Estado. “Ele só se aplica aos dois lotes de corredores de ônibus licitados, que são os do BRT, que representam 25% do sistema. Ainda assim, o custeio do governo não passa de 20% da arrecadação desses corredores”, afirma. Desde que a pandemia começou a impactar o serviço – em 16 de março, primeiro dia útil sem aulas -, a Urbana-PE estima que deixou de arrecadar R$ 240 milhões. O valor é 40,9% da receita obtida no mesmo período de 2019.

  Em nota ao DP, a Seduh confirma “que recebeu a solicitação da Urbana-PE sobre o pedido de escalonamento de horários e que o tema será discutido novamente, com a participação da SDEC”. A pasta também pondera que “desde a implementação do plano de retomada das atividades econômicas, o governo de Pernambuco já vem debatendo com representantes dos mais variados segmentos o escalonamento” para, dentre outros objetivos, “reduzir a pressão sobre o transporte público nos horários de pico”.

  Para atestar a observação, a secretaria cita exemplos, como o horário do comércio atacadista (9h às 18h), shoppings (10h às 20h), galerias (9h às 18h) e comércios varejistas não essenciais fora de centro comercial ou Shopping Center com até 200 m² (9h às 18h).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *