COVID-19: RECIFE TEM REDUÇÃO DE CASOS GRAVES DA DOENÇA DIZ PREFEITURA

Os casos graves da Covid-19 registrados no Recife tiveram redução de 59%, segundo dados do Comitê da Secretaria Municipal de Saúde. No mês de dezembro foram registrados 111 casos de Síndrome Respiratória Aguda Grave – SRAG que foram confirmados para a doença. Já no mês de novembro foram 288 – uma diminuição correspondente a 177 notificações, para a Capital pernambucana.

Segundo a Secretaria, houve queda também no número de óbitos. Em dezembro foram confirmadas 65 mortes em decorrência da infecção pelo novo coronavírus, uma queda de 45%, quando se comparado com o mês de novembro. “Apesar da melhora, a população deve continuar seguindo as recomendações da Organização Mundial de Saúde (OMS), como a higienização das mãos, uso de máscara e distanciamento social”.

De acordo com a gestão, entre os meses de março e abril, Recife recebeu sete hospitais de campanha, com 313 leitos de UTI e 741 de enfermaria. “Na fase mais crítica da pandemia, entre abril e maio, a rede de saúde da capital pernambucana não entrou em colapso graças ao maior índice de isolamento social entre as capitais brasileiras e à abertura de leitos que não existiam no início deste ano”.

Atualmente, apenas o Hospital Provisório Recife 1 – HPR1, localizado na Rua da Aurora, Bairro de Santo Amaro, permanece funcionando, com 100 leitos de UTI e 60 de enfermaria. Na última semana, o atual prefeito João Campos (PSB) e o então prefeito, Geraldo Julio (PSB), anunciaram abertura de mais 80 leitos de UTI no Hospital Eduardo Campos da Pessoa Idosa, localizado na Estância, na primeira quinzena de janeiro.

Com a ativação das novas unidades, o Recife terá um total de 342 leitos dedicados à Covid-19. “Em relação aos leitos criados pela Prefeitura do Recife, hoje, a ocupação dos leitos de terapia intensiva está em 77%. Do total de 120 leitos de UTI ativos, 93 estão ocupados, sendo 44 moradores da capital internados, pouco mais da metade (52%) são residentes de outros municípios”, informa a nota da PCR.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *