ELEIÇÕES MUNICIPAIS: CANDIDATURAS COLETIVAS GANHAM FORÇA NO ESTADO

Professor Nélio Fonseca (PSB) é quem lidera a chapa Recife Sustentável. Foto: Instagram/Reprodução

Candidaturas coletivas ganham cada vez mais corpo em Pernambuco. De acordo com levantamento feito por partidos de esquerda, este ano, 18 candidaturas coletivas foram registradas. Nas eleições de 2018, a chapa do Coletivo Juntas (Psol) conquistou o primeiro mandato coletivo para a Assembleia Legislativa de Pernambuco – Alepe. 

O feito, inédito no Estado estimulou outros candidatos a seguirem o mesmo caminho na campanha municipal deste ano. As candidaturas conjuntas foram consolidadas pelos partidos em vários municípios, a exemplo do Recife, além de Olinda e Jaboatão dos Guararapes, na Região Metropolitana. Na capital, duas candidaturas deste tipo chamam a atenção: a Recife Sustentável e a Ativistas. 

De acordo com o professor Nélio Fonseca (PSB) – a Recife Sustentável composta por médicos e professores universitários, possui três pilares essenciais que vão gerir a candidatura deles na capital pernambucana: ambiental, social e econômico.  “Passamos pela construção de todos os co-vereadores e co-vereadoras do mandato coletivo. Equipe é formada por médicos e ambientalistas. As decisões serão tomadas em conjunto, em formato de mesa redonda. Até as composições dos espaços que o mandato proporcionará. O coletivo é bíblico: diga com quem andas que direi quem és”.

“Tendo em vista essa recuperação econômica, pós ou durante a Covid-19, a Cidade se põe mais à frente dos desafio “. lembra o candidato. “Enquanto professor universitário e CEO de uma empresa no Porto Digital, encaro isso como desafio. E, para eles temos soluções. Criamos essa estruturação de solução para os problemas ambientais, sociais e econômicos que compõem o tripé da sustentabilidade. Ambos precisam estar equilibrados”, detalha Nélio.

A chapa Ativistas, composta por duas mulheres e um homem, tem como objetivo lutar por pautas diversas, que abrangem meio ambiente, direitos humanos, LGBTI+ e saúde. O foco é: mediação de conflitos e formas inovadoras de existir coletivamente. Estes são os dois pilares que constroem a candidatura Ativistas.

“Precisamos de renovação das práticas políticas. Nesse sentido, nós enxergamos explicações em fazer uma candidatura coletiva. Mais que coletiva, ela é ativista. Nossos atos de campanha representam muitos movimentos: bike como transporte, reunir mulheres para dialogar nos territórios periféricos e demonstrar que o Recife tem experiências que devem ser escalonadas independente de classe”, destaca uma das co-vereadoras da chapa, Sylvia Siqueira (PDT).   

Em Jaboatão dos Guararapes, a disputa proporcional traz como novidade a Bancada dos Comuns, formada por seis filiados do PCdoB. “Queremos dar voz à pessoas comuns. Por isso, decidimos compartilhar a candidatura e se formos eleitos, teremos a representação oficial na tribuna por um dos integrantes”, explicou, em recente entrevista ao Diario, Flor Ribeiro, uma das componentes do grupo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *