SETOR DE GASTRONOMIA DO ESTADO PREVÊ QUEDA ACIMA DE 8% COM AS NOVAS RESTRIÇÕES

 Uma das atividades econômicas mais afetadas com as novas restrições anunciadas pelo governo de Pernambuco, nesta sexta-feira (26) é a de bares e restaurantes. Segundo a Associação Brasileira de Bares e Restaurantes de Pernambuco – Abrasel-PE, da última vez que o horário de funcionamento dos serviços não essenciais foi reduzido da meia noite para 22h, a queda no faturamento foi de 8%.

A expectativa é que o recuo agora seja ainda maior. Segundo o presidente da Abrasel-PE, a entidade vinha acompanhando de perto a questão do aumento das taxas de contaminação e ocupação de leitos no Estado. “Já vinha crescendo desde o Carnaval e o Governo do Estado está repetindo as ações tomadas anteriormente quando as taxas estavam altas. “

Não é uma grande surpresa. Nós tínhamos solicitado para que avisassem com o mínimo de antecedência, mas fomos informados que as medidas são tomadas de acordo com os números que vão surgindo, é um processo dinâmico. Vamos ter que cumprir as medidas, mas há consequências”, afirmou.

As medidas mais restritivas serão válidas até 10 de março e a expectativa da Abrasel-PE, é que a queda no faturamento seja ainda maior do que quando ação parecida foi tomada anteriormente. “Naquela ocasião, música ao vivo estava liberada e agora não, então isso vai impactar mais”, disse André Araújo.

O Presidente da Abrasel-PE defende que o setor vai cumprir as medidas, assim como tomar mais cuidados em relação às questões sanitárias. Porém, ele defende que o setor é grande e que não tem como dar tratamento único. “A gente pede que o governo acompanhe mais de perto com fiscalização porque tem que diferenciar o que é bar, o que é restaurante e o que é casa de shows e eventos”.

“Tem casa de eventos que têm funcionamento como bar, então é preciso ficar atento para os locais que têm aglomeração ou aqueles outros lugares que fazem festas clandestinas. O setor formal não pode ser penalizado como um todo, porque vem cumprindo o protocolo sanitário”, analisou.

A expectativa do setor é que a taxa de contaminação do coronavírus vá diminuindo, que haja abertura de novos leitos e que o plano de vacinação avance mais rapidamente para enfrentar esse quadro. “Esse vai e vem está muito recorrente, tem que implementar essas medidas porque, desta forma, não vai precisar de tantas medidas restritivas assim. Elas refletem na cadeia produtiva como um todo”, concluiu.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *