PF MIRA GRUPO QUE APLICAVA GOLPES EM BENEFICIÁRIOS DO AUXÍLIO EMERGENCIAL

Operação “Ágio Emergencial”, da Polícia Federal – PF, por meio de sua representação em Salgueiro, desarticulou um possível grupo criminoso que vinha aplicando golpes em beneficiários do Auxílio Emergencial, na cidade de Belém do São Francisco, Sertão de Pernambuco.

A operação deflagrada na última sexta-feira resultou no cumprimento de seis mandados de busca e apreensão, expedidos pela Justiça Federal da 20ª Vara de Pernambuco. A princípio duas pessoas foram identificadas como parte do núcleo criminoso, mas, até a divulgação do informe, ninguém havia sido detido.

As investigações iniciais, apontam que um homem de 26 anos, funcionário de uma casa lotérica, localizada no município sertanejo, estaria cobrando indevidamente 10% dos valores do Auxílio Emergencial, com a promessa de que os beneficiários não enfrentassem filas, no momento do saque do benefício. O fato vinha ocorrendo , desde o mês abril deste ano.

De acordo com a PF, dentro da articulação do crime, o dinheiro cobrado era entregue ao funcionário fora do estabelecimento, conforme local combinado antecipadamente. Ainda segundo a Policia Federal, as vítimas são pessoas de baixa renda e, em situação de miserabilidade social.

Na organização dos delitos, as investigações indicam que o funcionário, que não teve seu nome revelado, pagava R$ 100 a um motoboy de 43 anos, para que ele pudesse encontrar beneficiários interessados no saque do Auxílio Emergencial, coletar os cartões das vítimas, bem como suas respectivas senhas.

Após o saque, o mototaxista entregava a seus proprietários a quantia restante do auxílio, depois de ter abatido o valor dos serviços ilícitos. Após ter sido descoberto pelo dono da lotérica sobre a irregularidade, o suspeito passou também a fazer os saques em agências bancárias dos municípios de Salgueiro e Cabrobó, também no Sertão.

Seis mandados de busca e apreensão foram cumpridos. Na residência do principal suspeito foram apreendidos um aparelho celular, um caderno com anotações dos saques, vários comprovantes bancários de saques do Auxilio Emergencial, 27 cartões de benefícios do Bolsa Família e do Cidadão.

Polícia Federal diz também, que, os suspeitos foram intimados a comparecerem na Delegacia de Salgueiro, onde serão responsabilizados pelo crime de Corrupção Ativa. Até agora, apenas os dois indivíduos foram identificados como os articuladores do núcleo principal da quadrilha, mas as investigações continuam para saber se existem outros envolvidos.

O delito Corrupção Ativa – crime praticado por funcionário contra a administração é previsto no artigo 317 do Código Penal. Caso sejam condenados, poderão pegar penas de até 12 anos de reclusão. A operação recebeu o nome do Ágio Emergencial por fazer alusão a um valor adicional cobrado do benefício Auxílio Emergencial pago pelo Governo Federal, para ajudar os trabalhadores na pandemia .

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *