PF MIRA OUTRA VEZ CORRUPÇÃO EM PREFEITURAS DA RMR, RESIDÊNCIAS E AGRESTE DO ESTADO

A Polícia Federal – PF desencadeou, nesta quinta-feira (10), a Operação Articulata contra corrupção – desdobramento de uma investigação sobre de irregularidade de contratos firmados por prefeituras, em decorrência da Pandemia.

Foram emitidos 11 mandados de busca e apreensão para endereços residenciais, sedes de empresas e em um órgão público pelo Tribunal Regional Federal da 5ª Região. Os mandados se direcionara para endereços localizados nos bairros de Boa Viagem, Bairro do Recife, Cordeiro, Graças e Complexo de Salgadinho, no Recife. Também se estenderam para as cidades de Olinda, Camaragibe, Itapissuma e Ipojuca.

 A investigação que resultou na operação desta quinta teve início a partir da análise dos materiais apreendidos na primeira fase da Operação Casa de Papel, que revelou possível participação de uma pessoa com prerrogativa de foro em um esquema de corrupção, favorecimento em licitações, entre outros crimes ali apurados.

O nome da operação foi inspirado no termo em latim do adjetivo articulado, em alusão ao papel de articulador supostamente exercido pela pessoa com prerrogativa de foro investigada, que não teve o nome e cargo divulgados.

CASA DE PAPEL

A  Operação Casa de Papel foi deflagrada no dia 16 de junho pela Polícia Federal em conjunto com a Controladoria-Geral da União – CGU e Ministério Público Federal – MPF, com o objetivo de investigar irregularidades na compra emergencial de materiais médicos, em decorrência da pandemia do novo coronavírus 

Foram investigados contratos com dispensa de licitação firmados entre prefeituras pernambucanas e a empresa AJS Comércio e Representação LTDA. Segundo a PF, os valores somavam quase R$ 9 milhões. Os contratos haviam sido firmados com os municípios do Recife, Olinda, Cabo de Santo Agostinho, Paulista e Jaboatão dos Guararapes.

Na época foram cumpridos 35 mandados de busca e apreensão nessas cidades, tanto nas prefeituras quanto na sede da empresa e nas residências de seus sócios. Durante as investigações, de acordo com a PF, foram constatados indícios de que a empresa contratada pertencia a um grupo econômico do setor gráfico, que estaria sendo beneficiado com contratos públicos milionários há mais de uma década.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *