TRIBUNAL SUPERIOR ELEITORAL CRIA BRECHA PARA FINANCIAMENTO ILEGAL DE CAMPANHA

O Tribunal Superior Eleitoral – TSE blindou de perda de mandato, a deputada estadual do Amapá, Marília Góes (PDT), cujas contas foram rejeitadas, por haver recebido dinheiro ilegalmente de outro partido, o Republicanos. Ela é esposa do governador Waldez Góes.

O TSE ignorou a lei, que prevê a punição De acordo com especialistas em Direito Eleitoral, a decisão abre um perigoso precedente: financiamento ilegal de campanha. Mesmo que empresarial, já não vai render punição do político beneficiado. A informação é do Diário do Poder.

A Lei Eleitoral determina que só partido coligado formalmente, pode fazer doações a outra sigla. O PDT de Góes não tinha coligação com a legenda Republicanos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *