CUNHA VÊ SABOTAGEM AO GOVERNO BOLSONARO E DIZ QUE APOIARIA O PRESIDENTE

O ex-presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (MDB) preso, desde 2016, pela Operação Lava Jato, acusou a imprensa e Rodrigo Maia (DEM-RJ) de sabotarem ao governo Bolsonaro e disse que, caso estivesse no poder, apoiaria o Chefe do Executivo.

Cunha concedeu entrevista ao jornal Folha de São Paulo, publicada nesta terça-feira (13) sobre o seu livro – “Tchau, Querida: O Diário do Impeachment” – que será lançado pela Editora Matrix no próximo sábado (17). Na ocasião, ele criticou o atual cenário político no Brasil e ressaltou que, apesar de “eventuais críticas pontuais”, daria sustentação ao presidente Jair Bolsonaro.

“Minha avaliação sobre Bolsonaro está de forma superficial, em cima de fatos concretos. Relato a sabotagem de Rodrigo Maia ao governo e o fato de que Bolsonaro sofre uma perseguição implacável de quase a totalidade da mídia”, afirmou Eduardo Cunha. “Quem elegeu Bolsonaro porque não queria a volta do PT, tem a obrigação de dar a governabilidade a ele. Se estivesse no poder, eu o apoiaria, com eventuais críticas pontuais, mas sempre estaria na posição oposta ao PT”, declarou.

Cunha ainda comentou o cenário desenhado para as eleições presidenciais de 2022. Segundo ele, não há hipótese de uma 3ª candidatura tirar o protagonismo da disputa entre Bolsonaro e o PT, provavelmente representado pelo ex-presidente Lula. “É preciso ter em conta que vivemos em uma dupla opção, entre o PT e o anti-PT. Nunca existiu 3ª via em todas as eleições, desde 1989 e não existirá na próxima”.

Não vejo ninguém para isso. Entre Bolsonaro e o PT, não tenho a menor dúvida de ficar com Bolsonaro. Qualquer opção é melhor que a volta do PT”. Sobre o processo que levou ao impeachment de Dilma Rousseff (PT), em 2016, Cunha afirmou que guarda mágoas do ex-presidente Michel Temer (MDB). Também acusou o PSDB de traição.

“Eu relato no livro o papel de Temer com relação a mim, que não foi correto. Não poderia esperar nada diferente dele, pois sua personalidade é fraca. Leiam e tirem suas conclusões. Quanto ao PSDB, eles se aproveitavam da situação em todos os momentos. Eles me usaram no processo como bucha de canhão. É evidente que fui traído por alguns”, ressaltou.

Eduardo Cunha está em prisão domiciliar. Ele foi autorizado a cumprir a pena em casa em razão da pandemia. A medida foi concedida a partir de ação impetrada pela defesa do ex-deputado, alegando a sua condição de idoso assegurada por lei, além de problemas de saúde. O político esteve internado, em março de 2020, para tratamento médico no intestino.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *