PROJETO SOBRE USO DE BARREIRA PLÁSTICA EM TÁXIS E TRANSPORTE POR APLICATIVOS EMPERRA NA ALEPE

    Comissão de Constituição, Legislação e Justiça  – CCLJ  da Assembleia Legislativa de Pernambuco – Alepe  debateu  nesta segunda-feira (20), Projeto de Lei que institui a utilização de barreira plástica entre os assentos dianteiros e traseiros de táxis e transportes por aplicativo.  

A medida está prevista no Projeto de Lei Ordinária nº  1173/2020, de autoria do deputado Claudiano Martins Filho (PP).  A proposição gerou um debate extenso entre membros do colegiado, mesmo com o relator Romero Sales Filho (PTB) apresentando parecer favorável. 

  A matéria foi considerada inconstitucional por alguns parlamentares.  com isso, o presidente do grupo, Waldemar Borges (PSB), decidiu retirar a proposta de pauta para aguardar o posicionamento do autor sobre uma possível alteração no conteúdo.  Na justificativa do PL, Claudiano Martins Filho afirma “que a utilização de barreiras já é largamente difundida em países da Ásia, inclusive por empresas de transporte por aplicativo”.  Parlamentar argumenta “que a medida tem baixo custo e pode contribuir para conter a disseminação do novo coronavírus nos transportes públicos”.

  Priscila Krause (DEM) afirmou que a proposição fere a Constituição Federal, que tem a “livre iniciativa” como um dos princípios fundamentais, não cabendo ao estado intervir na forma de atuação de motoristas particulares. Deputada argumentou que o autor não apresentou dados científicos na sua justificativa para fundamentar o projeto. “O  Estado já adotou várias ações,  criou normas de convivência com a covid-19 e as empresas de aplicativo também tomaram providências. Além disso, os motoristas foram muito atingidos economicamente pela pandemia e não poderiam arcar com mais esse ônus”, defendeu Priscila. 

   Antônio Moraes (pp),  Isaltino Nascimento (PSB), Antonio Fernando (PSC), João Paulo (PCdoB) e Romário Dias (PSD) concordaram com a análise de Priscila Krause.  “não podemos impor custos extras a esses motoristas”, disse nascimento. Por sua vez, Tony Gel (MDB) disse que a livre iniciativa não prevalece em relação à preservação da vida. “Pode ser que a matéria seja de difícil aplicabilidade, mas não é inconstitucional”, ressaltou. .

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *