NÚMERO DE MULHERES “CABEÇA DE CHAPA” CRESCE NAS ELEIÇÕES DO RECIFE

   Dados do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) apontam que 182 mil mulheres estão concorrendo nas eleições municipais de 2020. A primeira vista, o número parece alto, mas, em termos percentuais, o montante representa apenas 1,37% nas disputas das prefeituras. Na capital pernambucana, das 11 candidaturas majoritárias três são lideradas pelas mulheres. Além delas, outras quatro mulheres compõem as chapas.

  Apesar de ainda tímido, em comparação às últimas quatro eleições municipais, há um aumento das participações de mulheres na liderança das chapas do Recife. Nos pleitos de 2004, do total de sete candidaturas apenas uma foi encabeçada por uma mulher, ou seja, 14,2% do total, sendo as candidatas a vice 57,1% das candidaturas naquele ano. Em 2008, entre as sete candidaturas, uma única mulher disputou.

  O cenário continuou rebaixado em 2012. Do total de oito candidaturas, novamente apenas uma mulher saiu na disputa pela prefeitura. Já as concorrentes a vice, correspondiam a 37,5% do total. Em 2016, elas representavam 25% das cabeças de chapa, mas em contrapartida eram 12,5% do total de oito candidaturas a vice. O cenário político em 2020 tem trazido mudanças significativas, além de um número maior de siglas na disputa, 11 chapas no total. As mulheres este ano representam 27,2% em busca da liderança da Prefeitura da Cidade do Recife (PCR). Mas, o percentual avança em relação às vice-lideranças, que são 36,3%. 

  De acordo com a  cientista política e professora da Faculdade de Ciências  Humanas de Olinda – Facho, Priscilla Lapa, as eleições ocorridas em  2018 foram um fator preponderante para os resultados do que se vê hoje na política em relação à participação das mulheres. “Em 2018 além dessa discussão da ampliação das mulheres como candidatas tanto pro executivo como legislativo a gente viu a mulher se percebendo como um elemento decisivo em uma eleição. O movimento “Ele sim”, “Ele não” não foi  motivada por outra coisa, senão a mulher mostrando que queria interferir na eleição.  A mulher entendeu que o voto dela pode decidir a eleição, por ela ser maioria do eleitorado e pela liderança que ela pode exercer”, disse.

 Outro fator destacado pela cientista, foi a a decisão do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) em destinar 30% dos recursos do fundo eleitoral para cotas de gênero. “Foi um estímulo para que os partidos registrassem esse quantitativo de mulheres irrigadas com recursos para que fossem mais competitivas. Então essas candidaturas passam a se tornar mais consistente tanto qualitativamente, como quantitativamente”, afirmou.


Para as eleições deste ano, os recifenses contam com três opções de votos femininos para o comando da prefeitura: Patrícia Domingos (Podemos), Marília Arraes (PT) e Cláudia Ribeiro (PSTU), além de Rosaly Almeida (PSL), Isabela de Roldão (PDT), Priscila Krause (DEM) e Roberta Rita (PCO) para a vice-liderança.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *